quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Outonando por Terras do Demo!

Chegar a Sernancelhe e às “Terras do Demo” poderá ter sido tão difícil como no tempo de Aquilino, quando a viagem se fazia por “lanços perigosos e ziguezagues mortais
Esquecidas por Deus, as “Terras do Demo” transportam-nos para o que de melhor o Outono tem para exibir.
A passagem por abundantes soutos com os seus castanheiros seculares, a paisagem moldada pelas cores quentes do outono, os trilhos pejados de ouriços e a oportunidade de participar num são convívio, pelo coração da “Terra da Castanha”.
Que mais esperar de um Domingo onde o São Pedro fez questão de adornar o dia com pontadas de chuva e um céu cinzentão, a pedir descanso de alcofa e que acabou por se transformar numa espécie de “overdose bttistica”!

Um grande bem-haja ao pessoal da Meda que tão bem nos soube receber.









 
 































Partilho a "reportagem" em vídeo, elaborada pelo J. C.:






Podem visualizar ou descarregar o TRACK aqui 


segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Outonando!...


De carro, de barco, de comboio, de bicicleta ou a pé, todas estas opções são válidas para (re)visitar o Vale do Douro.
Pode até ser uma viagem sem rumo definido, por algumas das idílicas quintas que povoam o Vale, até há bem pouco tempo subvalorizado.
Pedalar por estes trilhos é uma experiência única. Chega-se aqui, ao alto Douro vinhateiro, património da humanidade e olha-se para os socalcos, esculpidos pela força das máquinas, carregados de vinhedos, onde sobressaem enormes letreiros que as identificam e, de repente, sentímo-nos perdidos.
A bordejar o Parque Arqueológico do Côa, a Quinta da Erva Moira (ou de Santa Maria, como por aqui lhe chamamos) e um pouco mais chegada a Almendra e a Castelo Melhor a Quinta do Custódio. Já na encosta sul do Douro, a Quinta de Castelo Melhor (Dourum).
Confinadas ao rio e à Ribeira de Aguiar as quintas da Ferreirinha: A Quinta da Granja, do Castelo e da Leda, que agora ostentam o topónimo da última.
Em todas elas podemos penetrar e nos envolver.
Sobranceiro ao Douro e delimitado pela Ribeira de Aguiar, localizado num amplo e destacado cabeço impõe-se a Calábria ou monte do Castelo, em cujo topo, aplanado, repousa imponente linha de muralha e derrubes de estruturas de antigo povoado, que ainda não tive coragem para escalar.

Saí de casa sem rota definida. Saí, literalmente, para desfrutar da bicicleta e acabei envolvido numa imensidão de cores outonais em pleno alto Douro vinhateiro!

Podem visualizar ou descarregar o TRACK aqui
 

  










terça-feira, 16 de outubro de 2018

Os efeitos do Leslie (De Almeida a Ciudad Rodrigo, pela GR 80)

Costumo dizer em jeito de brincadeira que não faço turismo na minha aldeia.
E, no entanto, há sempre tanto para ver e fazer!
Assisti ao nascimento da GR 80 em Setembro de 2015 e desde então já a repeti não sei quantas vezes.
E sempre que a faço não paro de me surpreender.
E, pelos vistos, não acontece só comigo, pois se assim fosse, no passado Domingo, não se juntaria a mim uma dúzia de “maluquinhos” do pedal.
Há algo de mágico que nos empurra para estes trilhos que percorrem ambos os lados da fronteira.
A meio da semana alguma apreensão pois as previsões meteorológicas não agouravam nada de bom. As mais pessimistas apontavam para a queda de precipitação em consequência da evolução do furacão Leslie, que atingiria território continental sob a forma de depressão pós-tropical.
E efectivamente com a aproximação da tempestade, na noite de Sábado para Domingo, o vento já se fazia sentir de forma intensa e, na manhã de Domingo, o sibilar provocado pelas rajadas mais intensas parecia não constituir um bom indicador e só a muito custo saí de casa, mais até para não defraudar as expectativas do restante pessoal que por mim aguardava em Almeida.
Manhã que viria a exibir-se bastante fria, com o termómetro a apontar para os 10.ºC, muita nébula e vento moderado, gerador de algum desconforto.
Algum cuidado na projecção da rota, eliminando troços mais monótonos que, quanto a mim, mais não pretendem do que adicionar Km ao track.
Pouco passaria das 8,00 horas quando deixámos a praça forte  de Almeida em direcção a Vale de Coelha e à Ribeira dos Tourões (Toirões, na linguagem popular), que serve de linha de fronteira e separa ambos os Países.
O trilho fomos encontrá-lo cuidado e limpo, bem sinalizado e purgado das deficiências que lhe havia apontado em passagens anteriores tais como a colocação de “mata-burros” junto às porteiras fechadas. Não tivemos que abrir ou saltar uma única que fosse, o que não deixa de ser confortável!
A meio caminho a primeira grande surpresa do dia: Um grupo de “bttistas” do “Grupo de BTT El Pedal” que, sabendo da nossa passagem, pelas redes sociais, decidiu esperar-nos e acompanhar-nos até Ciudad Rodrigo, onde nos proporcionaram uma autêntica “visita-guiada” pelo núcleo monumental da cidade, com especial destaque para a passagem pela zona amuralhada que a envolve.
Percorremos a cidade de uma forma como nunca o havíamos feito.
E ainda nos brindaram com uns divinais “bocadillos”, acompanhados de refrescantes “cañas”, como complemento hidratante.
Impossível esquecer!
Ciudad Rodrigo, declarada conjunto Histórico-artístico, é uma velha praça militar fortificada e as suas imponentes muralhas guardam riquíssimo património de edifícios civis e militares, onde se destaca a catedral e a torre de menagem. No exterior sobressai a velha ponte romana sobre o Rio Águeda e o Mosteiro da Caridade, do Sec. XVI.
Tudo merecedor de demorada visita, que não concretizámos, nem íamos para tal.
No final, em Almeida, ainda tentámos um lanche no “Granitus”, pois o amigo Manuel Rodrigues havia-nos presenteado com umas botelhas de syria “Quinta dos Currais”, colheita de 2016, mas fomos simpaticamente informados que tal não seria possível em virtude de a cozinha estar encerrada.

Lá tivemos que "fazer boca" com uns pastéis de bacalhau e uns rissóis!

Feitas as contas, o saldo viria a revelar-se bem positivo e altamente recomendável, tanto para os nativos como para os forasteiros!

Podem visualizar ou descarregar o TRACK aqui

Algumas imagens:






















Reportagem pelo Júlio Canteiro:




sexta-feira, 7 de setembro de 2018

De La Alberca até Béjar para ver a Vuelta

A ideia inicial passava por ir de encontro à caravana da "Vuelta" em Béjar, cuja etapa terminaria na estância de esqui de La Covatilla desfrutando, em simultâneo, de um excelente dia de BTT.
Algum cuidado no desenho do track pois a orografia do terreno não permitiria grandes veleidades, não tivéssemos pela frente os sistemas montanhosos da "Sierra de Francia" e da "Sierra de Béjar", da Comunidade de Salamanca!
A rapaziada do pedal apresentar-se-ia dividida em dois grupos: Um, maioritário, que tinha como objectivo enfrentar a "La Covatilla" de bicicleta de estrada e outro, minoritário, cujo propósito seria alcançar Béjar, desde La Alberca, em "mountain bike". 
Algum desacerto na saída, pois acabaríamos por ser "despejados" um pouco depois de San Miguel del Robledo, no desvio para San Martin del Castañar por onde alcançaríamos La Alberca.
Aqui senti que houve alguma maldade da rapaziada da "roda fina" pois o que ficara combinado de véspera era irmos todos em direcção a La Alberca, onde ficaríamos nós, os do BTT e os restantes prosseguiriam até Béjar.
Mas haja saúde!...
Este pequeno "incidente" para lá do desgaste adicional que provocou, implicou ainda que tivéssemos de aditar 12 Km ao percurso inicial, mas que acabaria por ser (apenas) mais um ingrediente para "apimentar" a aventura.
E que aventura!
Logo após La Alberca, em cujo núcleo urbano penetrámos, um singletrack que se prolongaria por uns bons 2 Km em ligeiro pendente ascendente, algo técnico, mas que se viria a revelar delicioso. Seguindo-se uma muito longa descida por largo estradão, com cerca de 14 Km, de encontro à SA 225 e ao Rio Alagón, que percorremos pela sua margem esquerda, no sentido da nascente, por divertido trilho até à desembocadura do "Arroyo Servon" após o que se seguiu a parte mais dolorosa de todo o trajecto.
Alcançar a pequena aldeia de Valdelageve não se viria a revelar tarefa fácil. Quase 7 Km de ascendente, com o sol a zurrar-nos no dorso, em encosta virada a sul e a fazer gestão de água...
Valeram-nos os figos que íamos colhendo das figueiras ... que a mim me pareciam estoirar no estômago de tão quentes que estavam!
Na aldeia não vislumbramos  vivalma! 
Água nem vê-la, quanto mais um bar ou um café!
Tivemos que mendiga-la, batendo a uma porta onde, para lá das naturais dificuldades da linguagem ainda tivemos que lidar com a resiliência da dita senhora que só após insistência no-la facultou, servida com elevada parcimónia e algum controlo, numa garrafa de 1,5 litros e a quem ficaríamos gratos.
Momento inolvidável!
No entanto, a mingua de água prolongar-se-ia por mais alguns Km e não nos restou outra alternativa senão apanhá-la num regato.
E como água corrente não mata gente!...
De Valdelageve descemos até ao Rio Cuerpo de Hombre por cuja margem esquerda haveríamos de progredir até Béjar.
Com a aproximação ao rio a paisagem alterou-se e as boas sensações regressaram: Trilhos com muita sombra e  água em dose q.b., sempre bem fresquinha, por densa mata mediterrânica onde o carvalho impera. 
Percurso fabuloso sempre à beira da água.
Em Montemayor del Rio, com o intuito de ganhar algum tempo, optámos pelo asfalto, embora o trilho progredisse paralelo à estrada.
Na retina ficarão cerca de 5 Km de trilho pelas margens do Cuerpo de Hombre, imediatamente antes de Béjar, que julgo serem imperdiveis, a ajuizar por aquilo que nos era dado observar  desde o asfalto, mas que não fizemos.
Dificilmente surgirá uma nova oportunidade!

Na Plaza Mayor de Béjar longa paragem para hidratação!

Béjar fomos encontra-la a pulsar de bicicletas. Centenas senão milhares de ciclistas que, descendo do Alto de La Covatilla, onde terminou a 9.ª Etapa da "gran vuelta española", ali se aglutinavam, conferindo à cidade um bulício pouco habitual.

Percurso fabuloso, com cerca de 70 Km, servido com uma boa dose de loucura, com paisagens a condizer. que dificilmente será repetido, não por falta de vontade mas sim por motivos logísticos.
Valeu cada gota de suor transpirada!

Quem também se recusou a colaborar nesta "expedição" foi minha máquina fotográfica que me deu uma valente nega (eu sei o que alguns estão a pensar!). 

Um grande bem-haja ao Tó Condesso, o "ganda" maluco que me acompanhou nesta aventura.

Não me digam que o céu é o limite quando eu vejo pegadas na Lua!

P.S. - Este tipo de "saidas" é um autentico tiro no escuro. Nunca sabemos o que vamos encontrar, como tal nunca deve ser feito "a solo". Procurem um companheiro à altura, capaz de enfrentar com determinação os diversos imprevistos que vão surgindo. A progressão faz-se, muitas vezes, pelo meio do "nada" por longos e sinuosos Km, por locais extremamente isolados e inóspitos, que tornam impossível qualquer contacto. Sem pretender ser alarmista aconselho que, antes de sair de casa, deixem sempre um plano do percurso que vão realizar.

E também não conseguimos ver a passagem da caravana da "Vuelta". Ficou a intenção!

Podem visualizar ou descarregar o TRACK aqui
Nota: O trajecto assinalado a verde destina-se a todos os "valentões" que pretendam subir até a "La Covatilla"
          O trajecto a azul é aquele que não fizemos e que gostaria de ter feito.



 Algumas imagens:


(Cruzamento onde fomos "despejados" - Aqui começou a aventura)


(San Martin del Castañar)


(Ao fundo a "Peña de Francia")


(La Alberca)


(Conduta de moinho típico da Sierra de Francia)


(Herguijuela de la Sierra)


(Rio Alagón)



(Valedelageve)


(Montemayor del Rio)


(Béjar - Plaza Mayor)


(Os dois aventureiros)




terça-feira, 24 de julho de 2018

SR.ª DA GRAÇA – NUNCA VOLTES AONDE JÁ FOSTE FELIZ!

Quando em Setembro de 2016 por aqui passei considerei a experiencia única e altamente recomendável.
A paisagem, a “paragem técnica” em Mondim, o almoço tardio em Ermelo, a visita às “fisgas”, o banho “em contacto com a natureza” no rio Olo, contribuíram para tornar aquela volta inolvidável.
O ano passado não fui.
Voltar ao lugar onde já fomos felizes leva a queiramos repetir o irrepetível. Leva a que apeteça completar o que ficou inacabado, escrever uma nova história, que mais não será do que a continuação da anterior, à expectativa da excelência.
A subida à Sr.ª da Graça repetiu-se, a “paragem técnica” em Mondim idem, o banho em “contacto com a mãe natureza” no rio Olo também, bem como o almoço em Ermelo e ainda acrescentámos uma passagem pela ciclovia do Tâmega, integrada na Rede Europeia de Vias Verdes, que seguimos no troço que liga Mondim a Arco de Baúlhe, onde termina.
E, no entanto, senti que tudo ficou aquém das expectativas.
Achei a passagem pela ciclovia monótona e desinteressante. Muitas cancelas a retardar e a dificultar a progressão.
O banho no Olo não foi a mesma coisa, apesar de a água se me parecer mais quente.
A subida à Sr.ª da Graça algo dolorosa, não obstante ter encontrado pessoal da Guarda em missão de reconhecimento.
Até o almoço ficou aquém das expectativas, apesar ter sido encomendado de vésperas.

É bem verdade: O lugar a que se volta é sempre outro!


Algumas imagens:

















terça-feira, 17 de julho de 2018

A Volta do German - 2018

É já uma clássica.
É (apenas) a forma de receber o Pedro Nunes (alemão), durante as suas férias. Ele retribui, oferecendo-nos um almoço\jantar "Made in German" - cerveja e salsichas!
Este ano a rapaziada empolgou-se um pouco impondo a famosa “Ponte dos Franceses”, isto é quis repetir a GR 14.1 – Sendero del Agueda.
Já fiz tantas vezes este trilho que nem tinha previsto dedicar-lhe mais um “post” que fosse, pois nada acrescentaria ao já escrito anteriormente, julgava eu!
A despreocupação foi de tal grandeza que nem sequer me dei trabalho de recarregar a bateria da máquina fotográfica!
Pouco passaria das 8,00 horas quando seguimos o alcatrão, na direcção do Convento de Stª Mª de Aguiar, com passagem por Almofala e Escarigo, aldeias transfronteiriças portuguesas e La Bouza e Puerto Seguro, já do lado Espanhol, onde entraríamos verdadeiramente no trilho da GR 14.1.
A Ponte dos Franceses, imponente, como sempre, com a secular central eléctrica a apresentar-se inactiva, não obstante o rio exibir forte caudal.
Logo após San Felices de los Gallegos costumamos fazer um pequeno troço de calçada, paralelo ao caminho e que não terá mais de 800 m, um pouco técnico, a exigir alguma atenção na condução e onde um descuido, por mais pequeno que seja, ou uma inabilidade, podem provocar uma indesejada aproximação ao tapete. Nesta passagem aconteceu!
Em Ahigal de los Aceiteros a velha calçada constitui sempre motivo para os virtuosos exercitarem a sua destreza. Enquanto os mais afoitos largam os travões e participam, os outros assistem. Espectáculo garantido!
Em Sobradillo paragem técnica para reposição de sólidos e líquidos. É aqui que costumamos “pinchar” e tomar umas “cañas”, que é como quem diz beber umas cervejas e petiscar!
Mas foi também após Sobradillo que sentimos a degradação desta GR 14.1. Onde antes havia passagem viemos agora a encontrar arame farpado.
Quem somos nós para questionar estas situações do direito da propriedade privada e de que lado está a razão. Provavelmente todos terão a sua quota-parte. Quem marcou e que não deveria marcar, sem ter a certeza que o fazia dentro do domínio público ou se os privados que se vão “assenhorando” do que não lhes pertence.
Em futuras passagens bem teremos que progredir pelos alternativos!
O fabuloso troço que liga Hinojosa de Duero a La Fregeneda há muito que deixou de ter qualquer tipo de manutenção. Está a ficar completamente obstruído pelas silvas e pelo mato. Não é mais possível continuar a passar por ali. Conseguimos, mas sentimos extremas dificuldades, de bicicleta no ar, a bater as silvas.
A alternativa é: Após Sobradillo avançar por alcatrão até La Fregeneda e aí entrar novamente no trilho ou então prosseguir até Hinojosa de Duero, direccionar-se à barragem de Saucelle, seguindo as marcações da GR 14.1 até ao seu término, tomando depois a EN 221 até Barca de Alva.
Lamentavelmente sou obrigado a dizer que tenho que abandonar certos caminhos e este é um deles.
Definitivamente a GR 14.1 está a desaparecer. Lá, tal como cá, o desleixo vai-se impondo de forma irreversível!
Ontem, o dia até se apresentou algo fresco para a época do ano. Mas bem depressa as neblinas matinais se dissiparam. De tal forma que quando chegámos a Barca de Alva, animados pelo ensurdecedor canto das cigarras, a temperatura ambiente deveria estar um pouco acima dos 40 ºC.
Se fosse há uns anitos atrás nem constituiria entrave à pedalada e prolongaríamos e percurso até Figueira de Castelo Rodrigo. Sapientemente ligámos para a “assistência técnica” que nos recolheu. Apenas três “lobos da folha” cumpriram o percurso na integra.

São dias como este que, eternamente, me prendem à bicicleta!

Algumas fotos: